O CRIME DE SERMOS FELIZES. Rir, curtir e sentir alegria é a experiência mais relevante da vida, mas a que mais garante a rejeição social.

 

EU SOU O QUE TE DOU, E TU ÉS O QUE ME DÁS

Diga-me o que deseja ao outro e eu lhe direi como é a sua vida.

O que nós humanos damos é essencialmente desejos. O que queremos para os outros é o que está criando a nossa própria vida. Felicidade e infelicidade são as nossas próprias criações que são projetadas para os outros e retornam amplificadas.

Por que é que a felicidade tem uma imprensão tao má? Por que é que o ser humano não está satisfeito com o sucesso dos outros? Que parte de nós quebrou para cancelar a possibilidade de sermos felizes?

É uma reação estranha sentir rejeição e até dor quando é provado que os outros são felizes. Aqueles de nós que estão no caminho da evolução interna estão interessados ​​em compreender os aspectos que impedem a felicidade, a nossa e a dos outros, uma vez que estão intimamente relacionados; É por isso que quero refletir sobre este estranho fenómeno de não poder ser feliz com a felicidade do outro, de não poder aproveitar o sucesso dos outros.

A TIRANIA DOS DESEJOS ESCONDIDOS:

O fracasso sabe que o é e não quer que ninguém tenha sucesso. O infeliz sente-se desamparado diante da realidade de não poder ser e, portanto, deleita-se com a infelicidade dos outros. Mas esta situação é interna, um segredo de estado para uma personalidade doente por causa do vício de coisas darem errado ou não se concretizarem.

Eu quero expressar algo que pode ser muito confrontante para muitos, mas também uma oportunidade para curar. Alguns dias atrás nós encontramo-nos na minha casa em Madrid mais de 70 pessoas que trabalham juntos na mesma organização, observando os rostos e gestos dessas pessoas eu podia ver que estamos todos no mesmo caminho da realização do nosso ser, que estamos vendo e desfrutando como os nossos sonhos se materializam, que estamos felizes pelo que estamos recebendo, nos apoiando com amor para que cada um possa tirar o melhor de si mesmo, que realmente desejamos o sucesso dos outros, por essa razão É inevitável rir e ser feliz.

Não importa em que ponto cada um de nós está, mas todos estamos a olhar um para o outro, esperando com predisposição para gostar de ser testemunhas da felicidade dos outros. Descobrimos algo tremendo: que a nossa satisfação profunda é criada querendo a satisfação dos outros, e embora não possamos fazer nada para que o outro tenha sucesso, podemos apoiá-lo e acompanhá-lo com o nosso desejo de florescer; Estamos prontos para nos deliciar com a abertura dos outros e assim poder sentir o aroma precioso que emana dos seres humanos, libertos da necessidade de falhar e sofrer. É uma experiência maravilhosa.

Muitos de nós já conhecemos os nossos parceiros aqui, temos filhos que amamos, outros moram lindamente sozinhos, alguns vêm à minha casa ou outras casas que temos ao redor do mundo, vêm e vão por países e conhecem novas pessoas , em todos os lugares podemos falar sobre o que queremos, ganhamos o dinheiro que precisamos para as nossas necessidades, não temos nada a esconder, olhamos um para o outro pelo respeito à potencialidade, podemos discutir e lutar sem culpa, contamos com a intenção para transcender as mentiras, divertimo-nos observando os personagens, desfrutamos uns dos outros para ver como estamos florescendo; Muitos estão em processo de cura, sentindo dor de feridas ou estão conscientes do desconforto que vem de viver da limitação; também há pessoas que estão a aprender a alcançar os eus objetivos; todos nós os inspiramos a continuar em frente em direção à conquista do seu próprio poder que está livre do seu potencial.

O FINAL CHEGOU:

As flores morrem após a floração. Entendemos que já fizemos tudo, que podemos fechar esta organização hoje e as mais de 10 empresas que temos, porque fizemos tudo o que podíamos fazer, não deixamos nada desfeito, damos tudo, conseguimos atinjir objectivos incríveis, menos aqueles que apontam as suas vidas ao fracasso. A nossa vocação essencial tem sido o sucesso, a materialização dos nossos sonhos, a realização do nosso ser; nós conseguimos, e por essa razão podemos dar-nos ao luxo de morrer ou fracassar; podemos parar de fazer tudo o que fazemos agora e dedicar-nos a algo mais ou nada, simplesmente porque nos entregamos completamente ao que o nosso coração nos diz. Absolutamente tudo foi perfeito. Eu não mudaria nada.
É por isso que o fim não nos assusta, a morte não nos ameaça, nem o fracasso nos assusta, porque tudo o que tinha que acontecer através de nós já aconteceu.

Quando cada um de nós chega ao momento da morte, esta reflexão certamente irá surgir: Nós já demos tudo? Nós fomos felizes? Nós fizemos o que queríamos? Conseguimos alcançar nossos sonhos? A vida tem sido, é e sempre será a oportunidade de nos realizarmos. O humano alcança a categoria divina quando a essência do amor se torna a própria vida.

Eu olho à volta agora e vejo tantas flores florescendo que a minha alma parece estar em êxtase. Cada flor tem o seu próprio tempo e processo para florescer, cada flor tem as suas próprias cores e aroma exclusivo, cada ser abre o seu próprio caminho e adquire a sua própria forma para manifestar a beleza que existe no universo. É uma paisagem linda e surpreendente.

Esta semana passada eu recebi uma visita de algumas mulheres muito determinadas, com grande talento e encanto especial, uma deles disse-me: “Eu quero trabalhar com você, mas eu preciso saber que intenção tem com tudo o que faz” quando as situações parecem tão interessantes para eu refletir e entrar para ver, reconhecer e expor a verdade do que está em mim. Eu respondi: “A minha intenção é transferir para os outros o que veio parar ás minhas mãos, passar para os outros o que descobri sobre assuntos tão importantes para a felicidade humana, a minha realização atual depende de ver os outros porque eu já a tenho “.

DESPROGRAMAR A NECESSIDADE DE SOFRER E FALHAR

Eu vou ao Uruguai conhecer cerca de 30 pessoas que vêm participar do módulo 2 do programa de formação que eu faço com a Escola Consciente, eles ainda não sabem, mas eu estou a fazer uma proposta concreta para que ela floresça, e eu faço-a por mim mesmo, pela minha própria felicidade, porque me faz feliz em ver os outros nas suas vidas; Esta experiência de poder participar do desenvolvimento do sucesso dos outros é o que dá sentido à minha vida, embora eu a tenha visto com tantas pessoas, quero mais; Eles vêm e, depois de um tempo, vêem como exploram aquela bomba criativa e amorosa que eles tanto guardaram ou esconderam.

O movimento que eu fundei é chamado de MOVIMENTO PARA A POTENCIALIDADE. Que é o mesmo que dizer “Nós vamos para a realização do nosso ser” “Esta estrada leva-nos para o destino inevitável do sucesso” “Nós conhecemos muitas pessoas de todo o mundo que orientam as nossas vidas para o florescimento da nossa essência” Portanto, olhamos e ficamos felizes em ver os outros felizes e plenos. Este é o núcleo do que nos une.

Hoje recebi tanta satisfação por participar nos processos de libertação da essência de outras pessoas que não tenho palavras para definir a minha felicidade, mas quero continuar porque sou guiado por uma ambição incontrolável de querer ver muito mais florescer. Cheguei a pensar que a dignidade de qualquer ser humano só se recupera quando a felicidade surge para o outro, ou quando a dor surge da dor do outro. Isto é o que os professores chamam de compaixão. Em outras palavras, para mim, compaixão é o entendimento de que tudo o que está a acontecer do lado de fora é meu. Eu sou o que eu te dou e você é o que me dá.

Se você não está feliz com a minha felicidade eu entendo-o, e eu proponho que se aproxime da nossa organização para respirar um novo ar de liberdade e felicidade baseado na responsabilidade de se entregar ao único destino para realizar o seu ser.

O que eu realmente sou está inevitavelmente relacionado com o que eu quero de você, e o que eu não sou depende do que eu quero de si. Os meus interesses para você podem-me escravizar e me submeter, é por isso que posso afirmar que você não me interessa, que estou interessado apenas no seu sucesso.

Ofereço-lhe o meu olhar, não tenho muito mais para dar, em que transmito o que sinto: DESEJO TUDO DE BOM.

Alberto José Varela

[email protected]

 

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Scroll to Top