O AMOR FAZ-NOS ENTRAR E O JULGAMENTO TIRA-NOS. Entramos pela aceitação e saímos pela rejeição.

ESTOU DENTRO DE ALGO OU DE ALGUÉM? ALGUMA VEZ UMA COISA OU ALGUÉM ENTROU EM MIM?

Chaves para entender o que vem e o que sai das nossas vidas, o que aceitamos e rejeitamos.

Duas perguntas que me fizeram tantas vezes: Por que estamos sempre fora de tudo? Por que não consigo encontrar o meu lugar? Eu sempre respondi superficialmente porque não queria me envolver. Agora chegou a hora de entender, é por isso que eu tenho dado origem a estas perguntas que vêm a mim para ser capaz de fornecer respostas que vêm de dentro.

Sair e entrar são dois verbos que me permitiram desenvolver uma sinfonia de palavras que quero partilhar com vocês para que você possa usá-la como um concerto que soe na sua consciência. Para ler este artigo, algo terá que sair de si, senão esta melodia não poderá entrar. A mesma coisa acontece com muitas pessoas, alguma parte delas deve partir, de modo a que o que está a esperar há tanto tempo lá fora possa entrar.

Durante vários anos atrás eu tenho afirmado: “A única saída é para dentro” “Se você realmente entra, será transformado”, “A única maneira de entrar é deixar o que o escravizou”, “É necessário sair e voltar a entrar” , porque então torna-se parte do todo “

A VERDADE É ESPONTÂNEA:

Eu estou em Posadas, Argentina, cruzando a fronteira internacional, há duas partes, uma imigra da Argentina e a outra imigra para o Paraguai, ou seja, você tem que sair de um país e entrar noutro na mesma fronteira. Uma das pessoas na procissão da nossa organização chamada Liana não tem permissão para entrar no Paraguai, eles dizem: “Você deve sair para entrar novamente”na linguagem do entendimento, que vem através dos sinais, eles foram dizendo algo profundo: “Se você não acertar, você não tem permissão para entrar” ou “Quando sai mal de um lugar fecha-se a entrada para outro lugar” Isto é algo que não só pode acontecer numa fronteira entre dois países, acontece todos os dias na nossa vida. Fechamos a entrada para tudo o que queremos porque não conseguimos sair do lugar de onde viemos.

Um exemplo: estar no passado está preso dentro de uma prisão; a partir daí não é possível introduzir um presente ou futuro diferente daquele que estamos vivendo agora. Cada dia que passa estamos deixando para trás mais um dia de vida, mas continuamos presos a tudo o que aconteceu, todos os dias a prisão é maior e mais fortificada, como uma corrente de segurança que nos permite movimentar muito pouco, até certo ponto e distância muito curta. A liberdade não é possível para aqueles que não foram capazes de deixar o seu passado. Estar no passado é estar dentro de um caixão, é estar morto na vida.

Olhando para trás, podemos ver que há muitos lugares que temos ido sem ter entrado ou saído, sempre fora, como espectadores, como os turistas que viajam a vida sem aprofundá-lo, sem sentimento ou gosto, cruzando tão frio, distante, indiferente e a sensação de ser parte, ou quererem pertencer a ele. Ter vida não é sinónimo de estar vivo, são coisas diferentes. Quem não entra na vida não poderá sair satisfatoriamente para a morte. Quem não deixa o caixão não pode viver, e quem não vive não quer morrer.

Você pode deixar o seu passado agora mesmo, entendendo que você tem de entrar num novo futuro, mas não a repetição do copiar-colar de um passado que você rejeita e que continua criando um futuro tão tortuoso quanto conhecido, mas deixando-o para trás em completa harmonia. tendo entendido do fundo do seu coração. Somente a partir da reconciliação pode algo novo ser iniciado.

A mentira de acreditar ter entrado

Chegamos a qualquer lugar, situação, trabalho ou relacionamento e acreditamos que entramos, mas no fundo sempre permanecemos do lado de fora, enganando-nos a nos mesmos que entramos. Este é um dos auto-enganos que usamos para nos manter fora do caminho, para nos excluir e nos deixar de lado; para não nos ligarmos intimamente a nada nem a ninguém, para manter a ideia secreta de que não há lugar digno e perfeito para nós, para nos afirmarmos na crença de que é perigoso entrar. Assim, passamos as nossas vidas a procurar o nosso lugar no mundo, um lugar que não existe, simplesmente porque fomos internamente anulados pela nossa própria ideia deformada de nós mesmos e dos outros. Mas nós usamos muitas desculpas e explicações:“Não deixam entrar em nenhum lugar” “Eu não me encaixo em alguns grupos” “Prefiro a solidão”, mas a situação subjacente esconde uma atitude de voo permanente, mas isso não é uma fuga dos outros, mas sim de não demolir a crença de que nós temos sobre nós mesmos, que é precisamente o que nos separa dos outros.

A crença do que somos é a fronteira em que vivemos e nos desenvolvemos, de acordo com o tipo de crença que temos sobre nós mesmos, a vida em que vivemos será criada. Repensar essa crença é repensar toda a vida. Esta crença foi muito bem elaborada, é algo que ninguém quer deixar ir ou mesmo tocar ou mudar, mas se deixarmos ir estaremos livres para poder entrar em tudo o que ansiamos da parte mais profunda do coração.

BREVE HISTÓRIA DE UMA SAÍDA FRUSTRADA:

Chegamos à vida, mas isso não significa que entramos na vida e na existência. Deixar o canal do parto não significa que entramos noutro lugar; muitas pessoas ainda estão dentro da sua mãe, elas ainda não saíram e com ela não estão em nenhum outro lugar, ou melhor, é a mãe que está sempre em todo lugar; então, vamos aonde vamos, lá estará ela, porque inconscientemente e inevitavelmente a levamos ás costas. Se nos atrevermos a olhar atentamente para a questão, não somos realmente nós que estamos a viver a nossa vida, mas é a nossa mãe que usa o nosso corpo para ir a todos os lugares. A mãe é o nexo entre a existência e a vida, permanecer preso nela não é ter deixado a existência ou ter entrado na vida. Está no limite, paralisado na fronteira.

Um grande número de pessoas, ao deixar o ventre da mãe, não estão apenas fora do seu corpo, mas já estão fora de tudo, porque elas estiveram dentro de um útero que não as recebia bem, o feto percebeu que a sua mãe não o queria e entendia que não deveria ter chegado. É a expulsão que surge através da percepção intra-uterina da rejeição da mãe. Essas pessoas, antes de deixarem a mãe, já estão fora de tudo.

E há outro grupo de pessoas que, sendo desejadas pela sua mãe, quando deixam o seu corpo, entram noutro espaço chamado vida, existência, o seu próprio corpo separado de quem as trouxe à vida; mas em poucos anos e por uma série de variáveis mais ou menos traumáticas são canceladas, excluídas, indesejadas, rejeitadas e excluídas.

Podemos ainda não ter saído, ou entramos num sistema que nos oprime, e estamos escravizados a uma vida onde temos de lutar para chegar a algum lugar, levando as costas a ameaça de sermos despejados a qualquer momento; o abandono pode vir em todos os tipos de situações, de modo que nós vivemos em alerta constante do perigo, e por sua vez numa tentativa obsessiva para entrar fazendo qualquer coisa para consegui-lo.

O PROCESSO EVOLUTIVO DE SAIR E ENTRAR:

Quando deixamos o útero, entramos no nosso próprio corpo, porque não há dependência através de um cordão umbilical, o corpo torna-se a casa, mas ainda está vazio e sem alma porque sentimos que ainda não existimos como um ser independente da nossa mãe. Precisamos sentir que somos alguém para entrar num mundo onde cada ser humano tem uma crença no que é. Sem essa crença você não pode entrar no sistema. Mas essa crença é uma mentira que só nos permitirá entrar em outra mentira maior. Embora não constituamos a nossa própria personalidade, não estamos dentro dessa grande mentira. A criação do eu garante-nos estar dentro da sociedade; o ego relaciona-nos com todas as crenças dos outros sobre si mesmos, dá-nos a sensação de unidade da construção mental da identidade.

O interior está cheio de todos os tipos de coisas que nos levaram ao processo de criação da personalidade. O desconforto que sentimos por dentro faz-nos sair em busca de algo que nos preenche, sentimos a nossa própria casa como um lugar inadequado, deixamo-la pouco a pouco e no final ela torna-se desolada, desorganizada, fria e muito desconfortável. Quando o vazio da solidão preenche todo o espaço interior, o conflito é assegurado. No abandono de si mesmo, a pergunta “Quem sou eu? Onde estou? O que aconteceu? É o começo da busca espiritual de muitas pessoas desesperadas.

Há muitas pessoas que nessa busca vêm para criar um espaço interno protegido, espiritual e harmonioso, onde criam a crença de estar bem, mas basicamente são as mesmas que permanecem fora, porque usam esse espaço interno para isolar-se e separar-se dos outros. Em algum momento querem entrar em outros espaços, mas não querem deixar o que construíram para se sentirem seguros. Isto também é estar fora, mas com a crença de que eles estão dentro.

Se eu não estou realmente dentro de mim, do meu corpo, na vida ou na existência acho que é muito difícil obter qualquer outro tipo de espaço, na verdade eu estou sempre fora e tenho a ideia enraizada de que não posso entrar, eles não querem que entre, que não mereço entrar, que este lugar é para os outros, e que devo permanecer fora de tudo.

Estar fora é uma das percepções mais profundamente enraizadas na mente humana. O sentimento de exclusão ou expulsão vem de uma ideia muito elaborada, que partiu da rejeição, vivida de formas muito diferentes e em momentos diferentes antes e depois do nascimento; mas uma vez fora ele se consolida construindo uma identidade que faz alguém sentir algo profundo: “eu sou um incómodo”, “eu não sou bem-vindo”, “a vida não é para mim”, “eu não mereço um lugar no mundo”. Estamos perante a escravidão da tirania do percebido em todo o nosso passado e da crença que adquirimos de nós mesmos.

COMPREENDER É ENTRAR E SER UM

Ontem à noite tivemos um jantar com Alberto Moreno, um médico paraguaio que conhece bem os paraguaios e as regiões, que disse que é uma vergonha ver como eles tratam o rio em Assunção, que atiram lixo e não se importam, enquanto em Encarnación (onde estamos agora ) é tratado quase como sagrado. Eu propus a possibilidade de entender por que acontece isso. Foi uma conversa emocionante em que chegamos a ver a necessidade de entrar em outras pessoas para poder compreendê-las nos seus atos; é vital para a contemplação sem julgamento ou crítica, não pode haver desqualificações porque é isso que nos deixa de fora e não nos permite compreender os outros e os seus comportamentos. Coincidentemente em Assunção, como em tantas grandes cidades do mundo,

Se se sentir mal no lugar onde mora, é lógico que vai maltratá-lo e que quer fugir. Alberto disse: ” Um dia eu vou ver e contemplar as pessoas que jogam lixo no rio, eu quero entender. É nesse momento que a intenção de entrar noutra pessoa ou situação emerge com poder, observando-a, sentindo-a, entendendo-a, porque é a única maneira pela qual podemos interagir com ela para inspirá-la a fazer uma transformação. A compreensão coloca-nos num ponto interno a partir do qual podemos apoiar e acompanhar qualquer processo de evolução interna.

A nossa equipa de facilitadores da Argentina e do Uruguai, vai por vezes, ao Rio de la Plata com grandes sacos e junta o lixo que é depositado inconscientemente, é porque nós olhamos e compreendemos o rio, magoa-nos, não podemos ser indiferentes, e abre a possibilidade de fazer algo, mas não criticando quem o maltrata, mas fazendo algo em busca da saúde do rio. Pode ser entendido tanto o que danifica como o danificado. É o caminho para ajudar ambos e reverter situações destrutivas. Entender as partes e a situação é entrar e chegar ao fundo.

ENTRAR em qualquer coisa, pessoa ou sentimento é uma questão muito profunda, temos medo de entrar, submergir, sentir e fazer parte, porque é o prelúdio do amor, por isso preferimos ficar de fora. Da mesma forma, SAIR de qualquer relacionamento, emoção ou situação é algo muito mais delicado do que imaginamos, porque, de acordo com a maneira como saímos, estaremos facilitando, dificultando ou condicionando outra nova entrada.

Se continuarmos fora, no final converteremos o externo numa área confortável e conhecida, familiar e ao mesmo tempo distante de tudo e de todos, o que nos deixará fora da vida. Mas se entrarmos em alguma coisa, pessoa ou situação, teremos que nos render, nesse ato de renúncia e entrega incondicional é onde surge o amor pelo interno. Ao entrar em qualquer lugar externo, podemos entrar internamente. É por isso que afirmo que tudo o que entra é transformado, porque a entrada implica uma abertura e uma compreensão. A chave é que depois de entrar você tem que sair. Tudo o que sairá depois de entrar voltará a entrar, mas de uma maneira refinada, e também voltará com maior poder.

 

O MILAGRE DO AMOR:

Dalí afirmou: “A guerra não é um conflito político, é um fenómeno biológico, um ritual ancestral de crueldade e canibalismo” para mim, a resistência à rendição não é um conflito político entre os personagens que querem dominar a vida, é um fenómeno de sobrevivência de uma ideia mental que vem das percepções originais. Não devemos falar de feridas originais ou traumas originais, mas de percepções originais, porque é aí que está a ENTRADA de tudo o que nos condicionou para a vida. O trauma entrou e não quer sair, adquiriu uma forma, uma identidade, uma força e um lugar de poder. O único trauma é a identificação com a crença de quem somos.

A luta pelo poder em que vivemos sem perceber é uma guerra interna entre limitação e potencialidade, entre o que não sou e o que sou, entre o passado e o presente, entre o que me condiciona e o que quero liberar. A nossa alma quer chegar ao seu lugar, mas foi detida por fatores externos, há um limite que é como uma parede e há guardas que a defendem, não o deixam entrar você sendo o dono desse lugar. Essa luta interior manifesta-se na vida exterior, na vida quotidiana, com os outros e com o externo.

Tudo o que vemos e não gostamos, que rejeitamos, julgamos ou criticamos, confronta-nos com dificuldade para nos vermos no ponto em que estamos fora de nós mesmos e do que vemos. O que é repugnante não é a atitude externa, mas a interna de não querer entrar e fazer parte.

Estar fora é estar na dualidade, estar dentro é unidade; quando você sai, você torna-se dois, quando você entra torna-se um. Lidar com qualquer problema a partir do exterior é fazê-lo a partir da divisão externa. Mas abordá-lo de dentro é sentir que você é aquilo, que o possui porque se fundiu com ele, então tudo que você representa ou faz sendo um com ele criará uma transformação a partir de dentro.

Estar fora dá-nos um lugar de falso poder para criticar o que está dentro, é um poder que vem da resistência. Mas quando realmente entramos, surge outro tipo de poder que vem da entrega, que tem a capacidade de mudar tudo, desde a compreensão. É por isso que afirmo que se entra no amor e se sai no juízo. Do amor nós somos sempre bem-vindos em todos os lugares, o amor é a entrada livre na existência, o julgamento é o código que fecha todas as portas. Se tentou entrar a qualquer momento sem se ter rendido, preste atenção ao momento em que críticas, reclamações, ataques ou preconceitos são ativados, porque será expulso pela energia da rejeição, não há acesso para aqueles que não desistem, que no amor já está dentro. Na verdade, estamos todos dentro, mas a rejeição que vem de fora, expulsa-nos para ocupar o lugar vital. Deste entendimento vem o tempo inevitável para recuperar o lugar do poder que dá amor.

Ao nascer e com a primeira inalação, o bebé deixa entrar a existência dentro de si; na morte e com a última exalação, todo o ser vivo deixa a vida para entrar novamente na existência. É o estranho processo de amor, entrar e sair, inalar e exalar, encerrar e libertar. Tudo está pronto para experimentar esse precioso processo, mas é muito provável que ainda não estejamos prontos, porque estar pronto é ter-se rendido.

Parar de resistir e render-se é definitivamente o ponto-chave da inflexão entre o auto-engano da ilusão ou o caminho real no território que nos leva ao florescimento. Tenha cuidado para morrer como uma semente, porque nasceu para florescer.

Alberto José Varela

[email protected]

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Scroll to Top