“Eu sou eu, eu não sou o outro, não me confunda”. A reivindicação de Dalí para seus pais, que marcaram sua vida para sempre.

DALÍ, UM GÉNIO LOUCO CRIATIVO QUE NOS MOSTROU COMO A IDENTIDADE É DEFINIDA DESDE A NECESSIDADE E DA CARÊNCIA.

Aprofundando a potencialidade que tem a limitação da personalidade.

As múltiplas faces de um génio escondem dois aspectos da mesma realidade de fundo. Louco, paranóico, genial, exibicionista, artista, comerciante, místico, excêntrico… Quem é Salvador Dalí? Foi a pergunta feita por contemporâneos que tiveram o privilégio de vê-lo vivo; Quem foi Salvador Dalí? É a questão que nos perguntamos agora; ambas as questões surgem da mesma crise de identidade que Dali sofreu, usou e desfrutou: não saber quem ele era ou o que ele queria ser; Eu queria ser outro e ao mesmo tempo ser ele mesmo! Enquanto ele tentava resolver esse conflito de identidade, ele tornou-se um jovem que não respeitava absolutamente nada, um anarquista congénito, ele criou uma personalidade que, para existir, tinha de ser notório. Uma história pessoal de um génio louco que de alguma maneira nos chega a todos porque nos representa numa procura louca de importância.

Afirmar que a limitação tem um grande potencial é uma autêntica contradição (aparente), mas para reconhecer esta aparência devemo-nos abrir ao paradoxal. Na verdade, o paradoxo é o caminho para o misticismo, porque nos prepara para a chegada do mistério nas nossas vidas.

Graças ao trauma original implantado pelos seus pais, a maravilha do que ele era nasceu. Salvador nasceu depois do seu irmão morrer, deram-lhe o mesmo nome do irmão, e trataram-no como se fosse o seu irmão ressuscitado, não como se ele fosse ele mesmo, ele tornou-se o substituto do seu irmão morto. Ser Salvador Dalí era suposto ser o El Salvador da angústia dos pais, então teve que implementar um mecanismo de rebelião com os seus pais repetindo mil vezes “Eu não sou esse ” “Eu não sou o meu irmão” “Eu não sou o outro Salvador “” Eu sou eu “.

A partir desta necessidade de auto-afirmação, ele só queria considerar-se absolutamente diferente de todos os mortais, portanto, de todos os tipos de coisas extravagantes; a coisa comum entediava-o tremendamente, ele precisava ser excepcional, deixar o estabelecido, ser notado a todo custo. É o que acontece com todos nós em diferentes formas e medidas, o complexo de inferioridade ou impotência torna-se um complexo de superioridade ou de ser omnipotente. O delírio místico é parte do processo de cura da criança ferida, anulada, marginalizada, comparada, traída ou rejeitada dentro de nós.

No caso de Dalí, a sua aventura intelectual e artística levou-o a explorar muitas opções do mesmo, impressionismo, cubismo, futurismo, surrealismo; na arte, procurou-se tentando parecer assim de um modo duplo. A paisagem árida e desolada da sua visão interior foi transformada num espaço mental onde nasceu o seu método paranóico crítico, um método que permite ao olho ver duas imagens da mesma forma; Dalí aborda o tema “Double” como um método de busca de uma identidade própria. Sentia-se incapaz de algo, definia-o como um complexo de impotência que dependia da necessidade de ser outra pessoa ou simplesmente de se tornar ele.

Eu queria basear-me na vida de Dali para expandir e aprofundar o que em muitas circunstâncias e tempos de aulas da Escola Consciente® disse de tantas maneiras: “Eu nasci como todos os outros, sendo eu mesmo, mas eu esqueci-me de quem era, impuseram-me ser outro sem eu perceber, estava convencido de que se me torna-se alguém na vida poderia ter sucesso, não sabendo que essa tentativa estava a cair na grande armadilha de sofrimento essencial que é apoiado em três pontos: 1- o desejo ser quem não posso ser 2- A negação de ser o que já sou por natureza e direito existencial, e 3- A omissão da possibilidade de tornar-se mais do que humano “.

Dalí, você e eu somos o mesmo. Quem foi realmente? O que resta dele? É a mesma coisa que eles vão perguntar de mim e de si depois de morrermos. É por isso que insisto que, se morrermos antes de morrermos, quando chegar a hora de morrermos, não morreremos. Morrer agora para o que não somos, morrer para a tentativa de ser outro e morrer para a limitação de acreditar que não podemos ser Deus. O suicídio da ambição de querer ser, ou recusar-se a ser o que pode ser, é o suicídio consciente mais eficaz do que existe no momento de renascer à existência sem termos ficado sem vida, mas para começar a viver em paz. Quando o projeto é tornar-se alguém desde um estado de carência, o trauma e a necessidade ocorrem de diferentes maneiras, o que aconteceu com Dalí.

O divino Dalí, desde tenra idade e com puro desejo de exibicionismo, foi capaz de arriscar a vida para atrair a atenção de todos os seus companheiros. Ele viajou para todos os lugares para se dar a conhecer a todo custo em busca de reconhecimento. No seu último exame, Dalí declara que o júri “não está apto a avaliá-lo” e recusa-se a responder às perguntas. Ele é definitivamente excluído da academia de pintura, mas depois torna-se um dos jovens pintores mais ricos do mundo. Ele afirma que toda pintura contemporânea é um desastre, e este desastre é, precisamente, a condição para um novo renascimento espiritual; a sua tendência mística natural conecta-o com os anjos da antimatéria que ele pinta nas suas pinturas e declara: “Hoje todos os físicos também estão constantemente falando sobre antimatéria, de tal forma que hoje parece que a matéria está a escapar das mãos dos cientistas, e somente a energia permanece, e tudo o que pensamos ser material, está a ser espiritualizado.

Talvez ele estivesse a espiritualizar a sua própria ideia de si mesmo. Quando ele foi criticado como um impostor, ele disse: Impostor ou traidor de quem ou o quê…? Eu sou muito pior e muito melhor que isto. Acima de tudo, eu sou um traidor, mas além de ser um traidor, eu sou… O que é que eu sou?… Algo que é muito melhor do que ser um traidor, mas eu esqueci o que sou. Enfim, sou traidor, e outra coisa que esqueci é melhor, já me vou lembrar …

A partir deste essencial esquecimento de si mesmo surgiu o génio artístico e midiático que muitas vezes se torna um showman. Desde a sua rejeição absoluta à ordem estabelecida consolidou um universo fóbico e atormentado quechamou de universo daliniano de onde ele construiu a sua imagem e colocou tanto o seu trabalho como a si mesmo no centro.

Ele entregou milhares de cópias da sua “Declaração da independência da imaginação e dos direitos do homem à sua própria loucura” de avião. Essa loucura reconhecida, mais ou menos controlada e expressada leva-o também a transformar a casa de um pescador num palácio barroco, concebido como uma obra de arte, uma escultura habitável que irá desenvolver-se como as células de um corpo orgânico, criando um espaço intra-uterino que será, até o final, a oficina onde ele sonha com outro Renascimento, capitaneado por ele sozinho e mais ninguém.

Inspirada pelas teorias de Freud sobre o inconsciente, o “crítico paranóia”, nas palavras de Dalí, um método de auto-análise que lhe permite canalizar suas alucinações criativamente, erguendo inconscientes imagens subliminares escondidas no mundo aparência. Esse foi seu trabalho, sua própria psicanálise ao ar livre, para a busca de sua própria identidade.

Único, irrepetível e magnífico Dalí que representa o louco quetemos dentro de nós procurando a nossa identidade própria e autêntica. Se aproveitarmos este espaço para interiorizar, podemo-nos perguntar por que é que o seu objetivo vital foi ser único e excepcional. Por que na sua pintura o tema do duplo era tão recorrente, tão essencial para ele. A pintura “As duas efígies” representam dois irmãos, um mortal e o outro imortal, e ali estava escondido o segredo da sua ferida e a sua extravagância, as suas limitações e o seu potencial.

Dalí disse isso claramente: Os meus pais fizeram uma coisa que teve consequências trágicas e gloriosas para minha vida, e eles amavam muito o meu irmão morto, e quando eu vim ao mundo, eles deram-me o mesmo nome que o meu irmão morto; isto é, Salvador. Toda a minha infância e toda a minha adolescência, vivi com a ideia de que fazia parte do meu irmão morto; isto é, eu amarrei o cadáver daquele irmão ao meu corpo e à minha alma, porque os meus pais não pararam de falar comigo sobre o outro Salvador, dizendo que a mesma coisa não poderia acontecer comigo… eles conversaram sobre mim, falaram um sobre o outro. É por isso que, para me separar daquele outro irmão morto, fui obrigado a tornar-me um génio, no sentido de afirmar a cada minuto que não era o outro, que não estava morto; e assim, Eu fui forçado a cometer e perpetrar todos os tipos de atos excêntricos. É esta faceta bizarra que as pessoas pensam ver em Dalí, mas que, precisamente, é o aspecto mais trágico da minha existência, pois toda semana eu tinha que afirmar, para me convencer, que eu não era o outro, que Eu era o irmão vivo. Quando eu era muito pequeno, queria ser cozinheiro. Então, eu comecei quando eu tinha seis anos, queria ser Napoleão. Desde então, minha ambição máxima cresceu apenas. E agora, o que eu mais gostaria é de ser, nada menos que … Salvador Dalí. Eu queria ser cozinheiro. Então, comecei quando tinha seis anos, queria ser Napoleão. Desde então, a minha ambição máxima continuou a crescer. E agora, o que eu mais gostaria é de ser, nada menos que … Salvador Dalí.

Eles perguntaram-lhe: O que é o céu? “O Céu: aqui está o que a minha alma, cativada pelo absoluto, tem procurado por toda a vida, embora para alguns possa parecer confuso.”

 

Alberto José Varela

[email protected]

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll to Top